Portes grátis para Portugal (excepto envios à cobrança)
  • Uma Agulha no Coração

Uma Agulha no Coração

12,00 €  
IVA incluído

Uma Agulha no Coração
Adília César

Este livro poderia ser uma poética do espaço, à maneira de Bachelard, só que este apenas escreve os lugares felizes. Aqui, deparamo-nos com uma iniciação à casa do pó, que desvela, camada a camada, o estado de graça e a ferida de habitar a memória da partilha da casa, mas também o seu vazio que arrasta o sujeito poético para o desmoronamento do ser.
“Penso insistentemente sobre a casa” é, efectivamente, o grande tema que perpassa o livro. Só que este pensar é táctil, indesligável do sentir o corpo em plena perda. O corpo a cair com um rumor veemente e obstinado, que nos convoca e impele a entrar no “meticuloso” universo da casa, a percorrer a sua corporeidade que apela a um tu ausente.
A casa está para os seus objectos como o corpo para os seus órgãos. Na perspectiva fenomenológica, trata-se de uma poética da doação recíproca de identidade entre o eu, escrito no feminino, e a casa. A presença da casa como sombra, e por isso tempo, dá-se como universo completo do que foi, e a ruína do que é tinge o próprio nome das coisas.
Tudo é revés, avesso, noite e, no entanto, habitável como lugar, simultaneamente amado e perfurante,
um lugar escrito cujo futuro será a felicidade que aguarda os leitores de Uma agulha no coração.

Rosa Alice Branco

A casa é perturbadora na sua norma clássica.
No encaixe dos braços e das pernas
a porta é assimétrica no som de abrir o coração.

Range a fábula
e perturba a saudação da linguagem pura.
O coração esquece a sua milimétrica geometria.

Atravessá-la sem a abrir, é o que me proponho
sem olhar para trás, sem ver a besta que me persegue.

Entrar é lembrar e sair é esquecer. No corpo.

idioma: português
encadernação: brochura
formato: 14 x 19,5
páginas: 74
papel: pólen 90 gramas
ano de edição: 2020
edição: 1ª

×