Portes grátis para Portugal (excepto envios à cobrança)
  • Notas sobre o Pensamento e a Visão / O Sagrado
  • Notas sobre o Pensamento e a Visão / O Sagrado
  • Notas sobre o Pensamento e a Visão / O Sagrado
  • Notas sobre o Pensamento e a Visão / O Sagrado

Notas sobre o Pensamento e a Visão / O Sagrado

15,00 €  
IVA incluído

Notas sobre o Pensamento e a Visão / O Sagrado
H.D. / Laure
tradução: Leonor Castro Nunes e André Tavares Marçal
capa(s) dura(s) / 62 + 96 pp.
DeStrauss, Novembro 2020

 

*

Costas com costas, a amante de George Bataille e a paixão de Ezra Pound. E ainda outros nomes a cercarem estas duas mulheres: Michel Leiris, Freud, Richard Aldington, Boris Souvarine, Robert Duncan.
Contudo, se pularmos a cerca, damos de caras com duas obras autónomas e relevantes para a compreensão de um tipo de literatura inconformada da primeira metade do séc. XX.

 

Nesta junção (im)provável, temos então de um lado H.D. (a mestre Imagista autora de, entre outros, Trilogy, trio de poemas modernistas que ombreia com A Terra Devastada ou Paterson), que, numa fase conturbada da sua vida - abandonada pelo marido, à beira de um colapso nervoso e a viver numa ilha isolada do sul de Itália por sugestão de uma amiga-amante - leva a cabo uma investigação aforística onde tenta idealizar uma síntese acerca da relação corpo-espírito, bem como uma reflexão sobre o processo criativo em cada um dos estados de consciência (três, no seu entender). Pelo meio: prosa poética, psicanálise, mitologia, alguma confusão.

Do outro temos Laure, uma fulgurante e passageira figura (dado a morte bater-lhe à porta aos 35 anos) da literatura francesa do século passado. O conjunto agora traduzido para português intitulado “O Sagrado” segue uma edição clandestina de 1939 (organizada por Bataille e Leiris pouco tempo depois da sua morte). O leitor terá agora a oportunidade de, por poemas, registos diarísticos, fragmentos de cartas não enviadas ou esboços ficcionais, bordear a noção de sagrado, questionada por alguém que a todos os assuntos e a todas as pessoas exigia o máximo, por se preocupar com a trémula e intrincada natureza daquilo que há de mais importante: a comunicação entre nós e os outros. Pelo meio: touradas, padres canalhas, textos eróticos, luto, deambulações noite adentro.

×