Portes grátis para Portugal (excepto envios à cobrança)
  • Desvios
  • Desvios

Desvios

12,00 €  
IVA incluído

Desvios
de René Crevel

Tradução de Diogo Paiva
Revisão de Sara Veiga
Capa de Pedro Soares
Design de Pedro Simões
Edição Snob
Colecção Baldio


René Crevel viveu apenas 34 anos, deixando-nos poemas, romances, textos soltos, loucos. O suicídio acompanhou-o desde sempre, como se algum dia fosse inevitável realizá-lo, e anuncia-se logo neste seu primeiro romance, Desvios, cabendo nele a descrição de um gesto que terá, 11 anos depois, a forma que o próprio Crevel escolherá, juntando um bilhete ao corpo: «É favor de me incinerar. Repulsa.» Desvios é, no entanto, e ao mesmo tempo, um romance de uma alegria tresloucada (até nas passagens mais melancólicas) e que parece estritamente ligada ao acto de se contar uma história. Seduzido pelo Surrealismo e por Breton, há quem queira ver numa posterior desilusão com este o motivo para a sua derradeira escolha, outros vêem-no na consciência da sua tuberculose avançada, mas o facto é que esse desvio da linha da vida marcou-o precisamente nela: aos 14 anos, vê o pai enforcado, levado pelas mãos da própria mãe, que lhe quis mostrar a cobardia do acto. É provável que Crevel tenha visto outra coisa. Bissexual assumido, o sexo, nos seus jogos e frustrações, é uma das cores na paleta de Desvios, que, embora usando os mesmos pincéis da literatura que o fundamenta, assume a rebeldia no traço, na forma, na força com que representa, rasgando se for preciso a tela. É jovial, desestabilizador, terno e angustiante. «É um livro romântico», dirá numa carta a Paul Éluard, «como o seu autor».

×