• As Magias do Ceilão - Francis de Croisset

As Magias do Ceilão - Francis de Croisset

15,00 €  
IVA incluído

As Magias do Ceilão
de Francis de Croisset
Tradução de Aníbal Fernandes

14,5 x 20,5 cm
192 páginas
Sistema Solar, Outubro, 2021
9789899006706

Em 1925 o Oriente estava na moda. Os primeiros transatlânticos de passageiros tinham posto as grandes distâncias a salvo dos solavancos das diligências e do fumo dos comboios; substituíam-nos por uma vida tranquila de hotel marítimo, por uma agitação mundana de termas de luxo embaladas pela oscilação das ondas. Muitos europeus aproveitaram esta deslocação mais cómoda para se confrontar com o exotismo oriental; para verem ao vivo o que tinham dentro de si mitificado pelas leituras e pelas pinturas dos orientalistas.

Francis de Croisset também cedeu ao apelo das viagens exóticas; e, na ocasião aqui em causa, com rápida paragem na Índia mas prolongada descida um pouco mais ao sul, ao exotismo vegetal do Ceilão — ou do Sri Lanka, ou da Trapobana, como lemos em Camões. Uma passageira do mesmo barco recordou-o para memória póstuma: «Homem magro, agradável e nervoso, terrivelmente inglês, e que descia em cada porto com uma nova conquista.» Terrivelmente inglês… Encontrá-lo- -emos assim nesta viagem, a olhar para ingleses com a ironia de um olhar britânico… expressa em palavras por um francês.

[…] neste «romance» e a sobrepor-se com inesperada força, sentimos a sua capacidade de estabelecer uma relação mágica e verbalmente faustosa com a paisagem, com a História, a arqueologia, os costumes, os lados maléficos do exotismo. Croisset surpreende — neste êxito da sua literatura exterior aos palcos — por se mostrar dominador de uma prosa a que ele não deu grandes oportunidades nos trinta e sete anos de vida e nos quarenta títulos que ele consagrou quase por inteiro à espuma leve que lhe era pedida pelos tiques do teatro de bulevar.

A popularidade de Croisset foi, no público que no princípio do século XX frequentava com deleite os espectáculos teatrais, enorme. Os empresários disputavam-lhe os textos; e o cinema mais de vinte vezes se lembrou das suas peças. […] Era uma vez… apetece-nos dizer, para começarmos a ouvir este Ceilão assassinado pelo esplendor da selva: É inútil as escavações exumarem e ressuscitarem deuses. Mal eles se erguem, a planta inimiga assedia- os com espinhos que rasgam, raízes que furam e lianas que submergem.

[Aníbal Fernandes]

×