Portes grátis para Portugal (excepto envios à cobrança)
  • Rimbaud-Verlaine, O Estranho Casal

Rimbaud-Verlaine, O Estranho Casal

Congeminado e traduzido por Aníbal Fernandes.

Os sete narradores:

Arthur Rimbaud: Meteoro. Riscou a literatura francesa como um prodígio. Entre os dezasseis e os vinte anos de idade escreveu tudo o que hoje incita à maior estupefacção. Viveu e brigou com Verlaine. Depois, quase lhe não bastou o mundo: corria através dele com «solas de vento», imparável até ao exílio de Harar. Fez uma Abissínia em prosa, com tráfico de armas e talvez de escravos. Um tumor canceroso num joelho devolveu-o a Marselha, onde morreu em 1891. Ao todo, 37 anos de idade.

Paul Verlaine: Um tempestuoso drama, fermentado com violência verbal e tiros, nasce na palavra e na inocência de algumas cartas. Tinha havido deambulações a dois – apaixonadas e complicadas com absinto: Paris, Bruxelas e Londres. O grande poeta estragava já um casamento e dispunha-se a coleccionar uma boa dose de hospitais e prisões. […]

Ernest Delahaye: O maior amigo de Rimbaud desde os tempos de colégio em Charleville […]. Pertence-lhe a primeira e malograda tentativa de publicação do poeta. […]

Mathilde Verlaine: Muitas seriam as dificuldades num casamento com Verlaine, apesar das elegias de La Bonne Chanson. Mathilde vive porém os seus tumultos como heroína de um romance negro, não poupa nenhuma sombra ao retrato de Rimbaud que sairá mais tarde de entre as páginas de Mémoires de Ma Vie (1935). […]

Mme Rimbaud: Viúva de um marido vivo, dirige a barca dos seus quatro filhos com leme de aço, pede ao catolicismo severidades, dissolve amores de mãe num amargo fel. […]

Mme Verlaine: Adiantada no casamento, consegue ter um filho. Paul habituou-se a ver três fetos que o vigiavam em grandes frascos de éter, guardados pela morbidez materna numa prateleira como testemunho de um drama em três fracassos que o precedeu. […]

Isabelle Rimbaud: De cinco filhos a mais nova […]. Virá a mostrar-se com energias de temperamento herdadas da sua mãe. […] Em 1895, com um rasgo de grande lucidez intelectual, autoriza o impuro Verlaine a prefaciar as Poésies Complètes do seu irmão.

Aníbal Fernandes

×