Portes grátis para Portugal (excepto envios à cobrança)
  • DOIS BOIS E UMA ARMA NA MÃO

DOIS BOIS E UMA ARMA NA MÃO

10,00 €  

Matéria Inquieta

O ruído da televisão
apaga a história da literatura
cobre a música imaginada
e quero voar daqui
mas esqueço-me de existir
ainda não posso ser pássaro
e não sei continuar à espera
na margem, no café
o estrondo tapa-me o céu
rajadas de metralhadora
avisos filtrados no megafone
criam nada, tanto nada
que já se conseguem ouvir
premonições do novo
ouve-se estalar a casca do ovo

 

Douda Correria#83

DOIS BOIS E UMA ARMA NA MÃO – João Paulo Esteves da Silva

(composição de Joana Pires)

João Paulo Esteves da Silva. (músico, poeta, tradutor)

Vem seguindo uma carreira pública enquanto pianista, improvisador, compositor etc. Mas aspira, e dedica-se, desde sempre, a muitas outras coisas. Por ex. à poesia. Publicou seis livros, “Notas à Margem”, “Ainda Menos”, em 2001, na editora Amores Perfeitos, “Trinta e quatro sonetos e trezentas e cinco redondilhas”, em 2014, “Tâmaras” em 2016, “Dois Bois e Uma Arma Na Mão”, em 2018, na editora Douda Correria, “Vertem-se bíblias em quimbundo/Crime”, 2017, na Miasoave, e tem alguma colaboração dispersa por revistas, e poemas incluídos em antologias, como por exemplo “Voo Rasante”, Mariposa Azual, 2015, Nanopoética (Makomleshira, Israel,2017) Cão Celeste #11 (2017) Ao teatro, traduziu Beckett, Ibsen, Strindberg, Pasolini, Stoppard, Albee, Pinter, Rostand, entre outros. À língua hebraica. Metade do seu tempo dedica-o a esta língua e a estudos e escritas com ela relacionados, traduziu o livro ‘Teoria do Um” do poeta Mordechai Geldman, publicado recentemente (2015/2016) pela Douda Correria, e que vem a ser o primeiro livro de poesia israelita contemporânea publicado em Portugal, em 2018 também pela editora Douda Correria publicou a tradução do hebraico de “Num Princípio – Fascículo 1/ Génesis”. À busca de aproximações e diálogos entre a música e outras artes, assinou trabalhos em conjunto com o fotógrafo José Luís Neto, compôs bandas sonoras por exemplo, para o filme “Sem Nome” de Gonçalo Waddington, realizou uma curta-metragem, “Partitura”. Ainda em colaboração com o poeta já mencionado, Mordechai Geldman, o seu livro “Tâmaras” foi traduzido para hebraico e publicado em Israel pela editora Keshev Leshira em Novembro de 2017.

 

×